13 março, 2010

o corpo da palavra

outside the library of the University of Houston.


lembras-te como os nossos impulsos foram assimilando um mapa da língua quando nascemos? lembras-te que as palavras já existiam antes de nascermos e que a língua foi inventada antes de sabermos ler? a nossa mente foi incorporando formas esculpidas através das palavras, representações do espaço, avenidas de imagens em movimento que alguém construiu antes de nós, no silêncio do tempo....as palavras são expressão de uma fonte inesgotável que se vai propagando silenciosamente através de nós, com elas vamos tecendo o real e o corpo em que vivemos. Sabes que conhecer a língua implica saberes quem és para nela encontrares uma identidade? A língua pode ser uma rede insegura nas coisas mais ínfimas que designa, ela pode inventar o mundo dos indivíduos, o seu meio, ela é um veículo mental que incorpora.... mas é também com a língua que nos podemos transformar recompondo o mundo a palavra e o corpo.

Gisela Ramos Rosa, 13-03-2010


15 comentários:

myra disse...

uma verdadeira beleza, nao sei que mais posso dizer....
beijos muitosssssssss

Leonardo B. disse...

[pode não haver país para este corpo, pode não existir aldeia que o reconforte, pode não existir o mundo que eu gostaria de habitar, pode... mas existe, para me recordar o ar que respiro, que existe um reino onde habito: a língua que faz de mim não uma ilha, mas antes um inteiro mar]

um imenso abraço, Gisela

Leonardo B.

[nada, para começar "uma navegação", que aportar no cais onde partilho mundos e neles vivo e aconteço!]

tonhOliveira disse...



O melhor caminho (passagem)
para encontrar o entendimento...

Bem expressado!

Que BELA ilustração Gisela!

Abraço!

expressodalinha disse...

A língua, a palavra, são sopros divinos. Temos de saber aproveitá-los bem. Belo post.

Lídia Borges disse...

"Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa".
Bernardo Soares

L.B.

João Menéres disse...

O texto é sublime.
A imagem é maravilhosa, pois para além da concepção arquitectónica e criativa que nos apresenta, está com uma luz que nos transporta para o mundo da fantasia.Incrível como agarras tudo isso e nos fazes reflectir nesta altura dum Portugal desmembrado.

Um beijo infinito e, uma vez mais, a minha admiração por ti.

Anónimo disse...

É lá, GIS,
na "Matriz dos Sonhos"
que geras esperança para as todas gerações!

Obrigado!

Be:)os!


Tonho

tonhOliveira disse...



A língua age!
A língua ágil!

Lamber palavras é um gesto de AMOR!
Blá-Blá-Blá-Blandícias!

Obrigado por existires ELAgis SARO!

dade amorim disse...

A língua que faz, de cada um de nós, todos nós.

Lindo texto, GIsela!
Um beijo.

Mar Arável disse...

As palavras são corpos vivos

em todas as línguas

Belo esgalhado texto

Bjs

Andrea Liette disse...

Há algum tempo que compartilho sua poesia - imagino cada palavra como se fosse minha .

Um grande abraço.

Ramon Alcântara disse...

Foucaultianamente, o discurso precede o sujeito!

abz

Carlos Teixeira Luis disse...

Sinto-me rude perante tanta beleza.
E venho aqui para ler Daniel Faria e Gisela Ramos Rosa e António Ramos Rosa. Como um canto do nosso jardim onde estão lá os nossos livros preferidos.
Abraço.

Graça Pires disse...

Das palavras e do silêncio. Da expressão e da forma de navegar o verbo...
Um beijo; gisela.

Carmo disse...

Como me sinto inculta perante a beleza das suas palavras Gisela. E que maravilhosa ilustração.

Bom fim de semana

Beijinhos

Carmo