13 fevereiro, 2010

como se Deus fosse a urgência do Amor


He Walks In The Dream
© Naomi Frost


De pedra em pedra
te peço
Não morras de sede
Ou de luz

Daniel Faria, Poesia, p. 422



não pronuncies a palavra esperança
está fora de ti é vã quando não sabemos
dos círculos que traçamos com o corpo

inventa um animal e dança com os passos
suspensos de todas as formas exactas respira
se necessário cai, cai sem medo
o erguer recomeça sereno

anela os afectos sempre que tocares
uma árvore uma flor a água
envolve-te neles profundamente
como se Deus fosse a urgência do Amor

tudo o que sabes é um anel que cresce
sem que possas antecipar a ave
que vai migrando nos teus olhos
haverá um momento iminente em que estarás
por detrás do olhar sabendo
que o corpo é uma encruzilhada do tempo
nele os sinais modelam um mapa legado
em cada acto presente

colhe o futuro nesse momento



Gisela Ramos Rosa, 13 de Fevereiro de 2010

20 comentários:

Lídia Borges disse...

Lindo nas palavras escritas e ditas, nas imagens e na música...

L.B.

Carmo disse...

Muito bonito Gisela. É quase sempre assim o percurso da nossa vida. Cair, para depois nos erguermos. Gostei desse cair sem medo como se Deus nos colocasse uma mão.

Beijinhos

Bom fim de semana

Carmo

JMV disse...

O que escreve é lindíssimo.Só não me espanto porque há já algum tempo descobri que isso tinha de acontecer...as suas palavras a nascerem fortes...a firmarem-se como raízes .
Gosto muito.
um beijinho

João Menéres disse...

Eu também me fixei ali naquele

> se necessário cai, cai sem medo <

Se não recearmos cair, o reerguer é muito menos custoso.

Excelente e lindíssima postagem, GISELA.

Um beijo neste dia soalheiro.

betina moraes disse...

gisela,

eu gosto muito da maneira como você vê a vida, o repeito com as coisas a sua volta e com o mundo em si. essa postura reflete em filosofia na tua poesia e você passa a criar versos que parecem escritos a muito tempo, por sábios observadores da natureza, do tempo, ... e que poderiam ser lidos como líricas orações, por devotos...

acho-os de muita beleza e grande valor,

"como se deus fosse a urgência do amor"
me pareceu a própria urgência de um deus amoroso dando pistas de como viver sem perder-se do tempo da vida.

muito bonito.

um beijo.

Creador: Santiago Flores disse...

Uooo!!!! Preciosa foto y composición. Es maravillosa y el globo del niño le da un aire increible y a la vez rompe las formas de la imagen dando mucha más fuerza.
Felicidades y hasta pronto!!!

Serge Cornillet disse...

Esas fotos son impresionantes, me encantan las composiciones, la ninez.
Perfecto,
Serge

myra disse...

lindissssssssssima imagem , impressionante de bela, poema tambem!!!!
beijos com aplausossssssssss

Anónimo disse...

Good shot!! Great blog!!!

http://balapertotarreu.blogspot.com

Frank

tonhOliveira disse...



Linda reflexão!

A imagem em ação sempre!

Beij♥s!

myra disse...

outra vez te digo, é uma maravilha!!! uma boa semana para voce, e continua deliciando-me com tuas postagens e palavras, e musicas tao belas!!!
bjs

Mar Arável disse...

Traço um risco disforme

no mapa do teu corpo inteiro

só para respirar

nas águas mais fundas

Bj

ellen disse...

Lindo o teu poema Gi!...
Linda a imagem que escolheste também... sintonia perfeita com esse teu poema.

Beijinho grande.
Bom carnaval

alice disse...

perdi-me muito tempo por aqui, querida gisela. como tenho passado sempre na linguagem dos rostos, deixei de visitar esta matriz inadvertidamente... e hoje regozijei-me por completo. um grande beijinho.

FerdoS disse...

Excelente!!!
Imagem, palavras e som, envolvidas num bailado de perfeita sincronia...
Molto buono, Adorei!
FerdoS

myra disse...

adoro vir aqui!!! e sempre as musicas lindas igual que tudo!
beijos

Graça Pires disse...

Dançar sobre as palavras mais urgentes para poder amar a vida...
Um belo poema, Gisela.
Um beijo.

Carlos Teixeira Luis disse...

Tenho andado a ler sem chatear muito com comentários mas este poema pareceu-me uma brisa refrescante como naquelas saudosas e quentes tardes de primavera ou verão em que somos saudados pela brisa da poesia mais bela.
Sabe bem esta poesia, os meus agradecimentos...
Pessoalmente ando como o clima, sou inverno e tenho a alma chuvada...
Abraço.

Carlos Pires disse...

Para que falar de Deus a propósito do amor? Não precisamos de Deus para nada...
Gostei muito da fotografia.

Patrícia Gonçalves disse...

Gisela, lindo, lindo, lindo, suas palavras calam em mim sentimento. Me perco nesse sentir.

Parabéns, seu blog é belíssimo!

beijo grande