17 outubro, 2009

A tua alma é o mundo inteiro*








Três desenhos de António Ramos Rosa, o primeiro e o último datados de 10-10-2009 e o intermédio de Fevereiro de 2009.

Hoje o meu tio António Ramos Rosa completa 85 anos. Há uma semana atrás, quando o visitei disse-me que gostava de fazer mais uma exposição dos seus desenhos. Retive o seu desejo e vou procurar a melhor maneira de o concretizar. Entretanto edito aqui alguns dos desenhos que ele me deu....todos os seus desenhos me provocam...todos os seus traços me fascinam...neles está contida a destreza pura das mãos do poeta que ele é, a fluência dos seus traços, cuja mão é já mental, a presença tendencial de um olho que fica talvez de um rosto antigo, de um rosto presente, de alguém, de ninguém, de todos nós...



Fica aqui um poema que lhe dediquei em 2005:



Tu és a flor de um traço
nas linhas de um olhar em que descubro
a paz com palavras sucessivas
a chuva embriagada de harmonia
o desejo de um oblíquo feitiço
na diagonal da cor dos meus sentidos

Gisela Rosa, Vasos Comunicantes, Diálogo poético com António Ramos Rosa, p. 95




* título extraído de
Upanishades

7 comentários:

Graça Pires disse...

Bonita homenagem, Gisela, ao nosso grande poeta António Ramos Rosa. Acho lindíssima a ideia da exposição de desenhos. Eu que tenho um desenho dele na parede do meu escritório...
Parabéns, poeta. "A tua alma é o mundo inteiro". Concordo.
Um beijo.

JMV disse...

Não sei bem porquê os desenhos de Ramos Rosa fazem-me lembrar aquele episódio descrito por Borges no "Atlas" em que se afasta um pouco,pega num punhado de areia, deposita-o mais à frente e pensa "estou a modificar o Sahara"...modificamos sempre o Sahara quando ...enfim,emociono-me.
O que queria dizer era que o que ele talvez tenha sempre feito com a sua poesia e os seus desenhos foi modificar o Sahara que há dentro de cada um de nós.Disso tenho a certeza.
Um beijinho e parabéns!

romério rômulo disse...

gisela:
venho me atualizar e deixo um abraço.
romério

Dalton França disse...

Olá Gisela!
Muito bela a homenagem que você presta ao artista António Ramos Rosa. Somente as amostras de suas obras já são suficientes para que tenhamos a dimensão de seu talento.
E o poema então? Com certeza deixa a nossa emoção um pouco mais florida. Parabéns!
Um beijo!

Luís Costa disse...

Lembro-me dos meus sete anos:
a minha avó e eu em frente à lareira
os seus olhos, pequenos, mas de um azul intenso,
fixando-me
( era analfabeta, não distinguia um O nem que fosse do tamanho de um boi, mas havia
nela aquilo que eu chamo A Sabedoria Ancestral )
lembro-me que ela me dizia:

“ Rapaz, filho de peixe sabe nadar “

Neste caso, corrijo e digo:

“ Sobrinha de peixe sabe nadar. “

Belo poema, sem dúvida. E belos desenhos vindos de uma mão que é
a poesia personificada.

Luís

myra disse...

adorei os traços!!!!! e tambem o que voce escreveu, parabens aos dois, beijos,

Isa Lisboa disse...

Gostei muito dos desenhos e do blog. Os desenhos falam comigo e os poemas mostram-em belas imagens...
Bjs.