31 outubro, 2009

Sim. Agora posso explicar-te o mistério das águas.




Prometo-te a palma da minha mão para a escrita.
Cerca-a de magnólias, cerca-me. Podes fechar a escrita
No interior da mão ou na boca dos livros
Podes esquecê-la ou libertá-la dos mil botões
Que ela sopra no interior dos homens.
Podes mandá-la àqueles que mais amas
Ou como pétalas e mensagens nas anilhas das aves
Aos teus próprios inimigos.
Podes desarmá-la para propagares as chamas.
Dou-te, como desde sempre, o poder
De escreveres na pele da minha mão
As promessas que te fiz. Sabes que existo
E que vou repetir-te todas as coisas outra vez.

As estações, por exemplo - não sou o único que o digo -,
Não rodam à maneira dos carrosséis no largo. No Outono
A magnólia é pensativa como o homem
Que te olha por detrás da janela onde te escrevo.
No inverno os vidros vão embaciando - aproxima
A tua mão da paisagem que resta
Como se fora o lado do verbo que encarnou. Repara
No banco de pedra - ele está
Sobre ti.

Reading
© Ardian Zuehry

Tu és a criança sentada
Que olha o céu. Há um tesouro
No céu - um coração novo. Reconheces
A magnólia estelar? O interstício solar
Da pupila celeste? Ela está sobre ti
E contempla - é verdade que é pelas lágrimas
Que começam as visões.
Sim. Agora posso explicar-te o mistério das águas.
Debruça-te como ele quando escreveu no chão
Irás entender - elas jorram das palavras.


Daniel Faria, em Poesia, pp.334,335

14 comentários:

João Menéres disse...

SEM PALAVRAS para tanta beleza poética!

Uma beleza. TUDO!

Um beijo.

João Menéres disse...

SEM PALAVRAS para tanta beleza poética!

Uma beleza. TUDO!

Um beijo.

Gisela Rosa disse...

Caríssimo João Menéres, obrigada! Um abraço

ellen disse...

Que bonito ensinamento em modo de poesia... adorei!

Beijinho grande

Paulo disse...

Fantástico poema, sem dúvida. Mas a composição que fez tornam a leitura ainda mais emocionante. Parabéns.

Graça Pires disse...

"é verdade que é pelas lágrimas
Que começam as visões."
Que bela explicação do mistério das águas. O Daniel Faria tem poemas lindíssimos.
Um beijo grande.

Gisela Rosa disse...

Lena, és sempre bem-vinda! Um beijinho


Paulo, obrigada pela sua leitura deste post, gosto muito de Daniel Faria. Um abraço


Graça, que bom tê-la aqui, nesta leitura de DF. Um grande beijinho e volte sempre.

Sishir disse...

No words to express, simply amazing!!

Jefferson Bessa disse...

a palavra como água nos mistérios da compreensão...

Abraçossss

Jefferson.

dade amorim disse...

Belo poema, GIsele - sempre se ganha muito vindo aqui.
Andava saudosa de seu blog.
Beijo!

Lídia Borges disse...

Belíssimo!!!

Palavras, imagens e som.


L.B.

myra disse...

vim te ver , depois de ter visto o blog de Luisa, parabens é pouco, por esta e as outras fotos! e palavras uma maravilha de "olho" que voce tem, estou muito feliz de ter visitado este teu blog, e vou oltar muitas vezes

sou :
www.myra-parole.blogspot.com

myra disse...

beleza, beleza, belza, adoro teu blog, bjs

pin gente disse...

muito bonito
e sereno

um abraço