09 agosto, 2009

In time





Vejo as rosas

elas ensinam-me a reconhecer

tantas outras flores

os odores da terra

onde o musgo verde dinamiza os abetos

e a Era se eleva em movimentos que só o vento pressente

rosas de todas as cores

pronunciando magmas do centro

para que na forma do fogo meu corpo se construa

incandescente

soletrando a cadência leve da folhagem

roçando picos agudos de caules breves e estreitos

passagens verticais que protegem

In time, © Mal Smart



o nascimento da flor

pressinto o som das cores

quando sinto o jardim que se abre a meu olhar

e nele descubro esboços de Deus

na natureza


Gisela Ramos Rosa

27-04-04


10 comentários:

Lídia Borges disse...

Muito bonito, este jardim...
A Natureza em exaltação.


Um beijo

El Viejo @gustín disse...

Deus esta presente a todas as coisas e com tuas letras demostras sua existência

Beixo Enorme.

mariab disse...

como se algo de divino nos tocasse. belo!
beijo

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Olá, Gisela!
Quanta delicadeza de alma nesse poema, sentimento de poeta.
beijo no coração

Gui disse...

Poucas palavras carregadas de beleza. Soube-me bem ler e ouvir também o som das cores e também admirar os esboços de Deus. Não poderia começar o dia de melhor maneira. Um beijo amigo.

Graça Pires disse...

Pressentir o som das cores e deixar que um jardim se abrigue no olhar... Divinamente lindo.
Um beijo, Gisela.

JMV disse...

"pressinto o som das cores"...bom pressentimento.

um beijinho

VFS disse...

a beleza da criação
nas palavras do coração.

VFS

ellen disse...

Que linda Rosa aqui descreves... à imagem de um Ser.
Gostei.

Beijinho grande linda Rosa :)

Anónimo disse...

no íntimo das rosas
repousa o magma

1 beijinho, Gisela