15 maio, 2009

O encontro



Paix, Peace, Frieden, Paz, Calligraphie Lassad Metoui


Eros e Psique


Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera.
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado.
Ele dela é ignorado.
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino -
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E, vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora.

E inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.


Fernando Pessoa,
8-7-1933, publicado in Presença nºs 41 e 42, Coimbra, Maio de 1934
(retirado do livro de José Manuel Anes, Fernando Pessoa e os Mundos Esotéricos, p.p. 182-183).

8 comentários:

El Viejo @gustín disse...

Maravilloso Fernando Pesoa

Idolo.


1 abrazo

JMV disse...

Fantástica caligrafia !!!!!!!!!!!


um beijinho

Graça Pires disse...

Fernando Pessoa e sempre o imenso talento de ser outros... mesmo Psique ou a princesa que dormia.
Não conhecia este poema.
Um beijo Gisela.

alice disse...

gostei muito deste poema, gisela. sempre me interroguei, ao ler e ouvir estas lendas, como seria se o cavaleiro que salva a princesa, fosse na verdade um sonho que ela tinha enquanto dormia. é mais real e ajuda a perceber que não existem príncipes encantados. à excepção do fernando pessoa, naturalmente. um grande beijinho.

vaandando disse...

... não conhecia , foi um enorme prazer , pois gosto destes poemas de sabor »popular!»
abraço
_________ JRMARTo

Gisela Rosa disse...

vaandando, obrigada, um abraço.

Gisela Rosa disse...

Gracias Agustin!

Sempre em torno das caligrafias agora nesta paz do encontro!

A princesa e o amado são um só Graça! Um beijinho e obrigada


alice, nesse sonho o cavaleiro descobre que a princesa está em si mesmo...é o encontro consigo próprio com o seu Ser. Só Fernando Pessoa poderia escrever um poema assim. Um beijinho e obrigada.

myra disse...

adorei, adoro, sempre, beeeeeeijoooo