25 março, 2010

sobre o mundo que somos

Red-winged Blackbird in Sea of Yellow
© David Orias



se quiseres ser meu amigo não enxugues as mãos
abre os gestos e olha o centro dos mistérios
que de ti podem chegar a mim

sê pássaro peito e bússola
juntos cercaremos os montes e as flores
sem nos ausentarmos dessa imagem matriz

constroi um arco leve um eixo de pólen
que dará amplitude ao voo
então, sem que nada nos falte poderemos
falar sobre o mundo que somos

Gisela Ramos Rosa, 25-03-10


Não resisto a publicar o comentário de um amigo Argentino que resolveu traduzir o meu poema... adoro ler a poesia na língua espanhola, adoro olhá-la, decifrá-la, ganha outros contornos, muito obrigada Agustin!



si quieres ser mi amigo no cierres las manos
abre los gestos y revela la profundidad de los misterios
que de ti pueden llegar a mí...

sé pájaro, pecho y brújula
juntos surcaremos los montes y las flores
sin olvidarnos de esa imagen matriz

construiremos un arco leve y un eje de pólen
que dará amplitud a nuestro vuelo
entonces, sin que ya; nada nos falte podremos, hablar sobre el mundo que somos...



Gisela Ramos Rosa, 25-03-10
Tradução de Agustin Talledo 28-03-2010

9 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Gostei. Vamos de mãos dadas. Somente a fraternidade salvará o mundo.
Abraços.

expressodalinha disse...

Sempre a voar...

Leonardo B. disse...

[inevitável, esse alicerce semeado, não à superfície, mas em cada dia mais profundo, sulcado por palavra, e em palavra companhia, aliança da amizade... não guardemos as sementes, tratemos dos solos e as estações haverão de se encarregar da tarefa restante!]

um imenso abraço, Gisela

Leonardo B.

myra disse...

belezaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!é sim, andar todos de maos dadas...
beijos minha querida e fantastica gisela!!

Carmo disse...

A amizade é mesmo isso Gisela. Aí vou eu com o meu arco leve um eixo de polen e quem sabe se aos poucos não voamos as duas à descoberta do mundo

Tania disse...

Olá Giselda,

Fiquei emocionada por encontrar este lugar. A delicadeza da sua poesía, de mãos dadas com imagens cuidadosamente escolhidas. A beleza de sentir a presença do poeta António Ramos Rosa. Tudo tão lindo.

Um maravilhoso presente para os sentidos...

Voltarei muitas vezes.

Um abraço.

El Viejo @gustín disse...

si quieres ser mi amigo no cierres las manos
abre los gestos y revela la profundidad de los misterios
que de ti pueden llegar a mí...

sé pájaro, pecho y brújula
juntos surcaremos los montes y las flores
sin olvidarnos de esa imagen matriz

construiremos un arco leve y un eje de pólen
que dará amplitud a nuestro vuelo
entonces, sin que ya; nada nos falte podremos, hablar sobre el mundo que somos...

Canto Turdus Merula disse...

De outras paragens aqui passei.

E gosto por aqui passar.
Se por vezes trago só o olhar e levo o sentir, agora fica a palavra para dizer, bonito poema... agradável “magia” do verbo.

avlisjota disse...

amigos...
qual será a amplitude do voo, para encontrar amigos...

Gosto muito deste poema.

Bjos