04 fevereiro, 2010

Como se a sede me ensinasse a caminhar sobre a palavra *


Trago os instrumentos do fogo
ponho-os na boca
ponho-os no coração

Trago os instrumentos da respiração
- Uma montanha, uma árvore que lhe dá abrigo -
E suspendo-os nos ramos como pinhas que dão sombra
Um lugar fresco para os deportados de Sião nas margens

Trouxe também os instrumentos dos mineiros
Uma luz na cabeça voltada para o pensamento
Um olhar profundo
O modo prisioneiro de virem livremente para fora

E trago todos os instrumentos na circulação do sangue e na ocupação
(permanente

Das mãos
Para o instrumento difícil
do silêncio


Daniel Faria, Poesia




O título desta edição é um verso de Daniel Faria, extraído de Poesia, p. 324

11 comentários:

iracema forte caingang disse...

Linda postagem bela poesia.
Beijão

Creador: Santiago Flores disse...

Precioso contraluz y muy bonita imagen con unos colores que le dan mucha fuerza.
Felicidades!

João Menéres disse...

GISELA

Tudo muito bem escolhido por ti.
Primeiro foi a poesia?
Depois a imagem e por fim o título?

Tudo de primeira, mas o título suplanta. Talvez pela questãoque deixa em suspenso...

Um beijo.

Fabrício Santiago disse...

Olá, tb trago meus instrumentos de fogo, ás vezes muito esquecidos na caixa de ferramentas. Mas estou abrindo ela de novo, vamos ver no que dá.
Beijos
Valeu pelo poema
Fabrício Santiago

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do blog Um olhar de Perto. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Eu sei que é ridículo da minha parte te mandar essa propagando control c control v, mas sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas no blog da Luísa, ela inclusive é seguidora do meu blog, claro que ela faz isso mais por gentileza do que pela qualidade do meu texto, mas estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

Tb estou fazendo um pequeno convite a ajudar as pessoas que desejam parar de fumar, faço entrei para: blogueiros contra o tabagismo. Eu mesmo estou na luta contra o cigarro.


Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Luísa disse...

Pode ser difícil, mas sei que vou lá chegar!
E no sangue? No sangue tenho a garra de quem viu partir sem me agarrar!


Divagações com muita emoção pelo que leio e vejo,num blog sempre tão bem apresentado!
Silenciar, é a palavra-chave!
Beijinhos

tonhOliveira disse...



Um caminho coberto de palavras,
que belo passeio pela leitura.


Beij♥ ← nele!!

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo trabalho...Excelente....

Os teus olhos dizem mais que palavras disse...

Um cantinho fantastico q descobri por acaso!!
Parabens e continue ;)

tossan disse...

Fantástico blog! Poesia do começo ao fim. Poema e foto me encantam! Abraço

myra disse...

tudo aqui é poesia, fotos, musica, palavras!!! voce é fabulosa!!!!
beijos cheios de admiraçao contìnua!!!!!