15 fevereiro, 2009

Sobre as raízes do tempo


António Ramos Rosa, fotografia de Gisela Rosa Novembro de 2008


...
Mi pensamiento
Es más ligero que el aire
Soy real

Veo mi vida y mi muerte
El mundo es verdadero
Veo
Habito una transparencia

Octavio Paz, La Centena, Contigo, p. 195

3 comentários:

PAS[Ç]SOS disse...

Donde podrá haber más transparencia que en las palabras que si escriben con verdad, aún que sean poesía y ensueños del poeta?

Gisela disse...

Passos, a verdade é das palavras com mais "sabor" (e "saber" têm a mesma origem)...a poesia pode dizer a verdade, apesar dos sonhos, apesar destes às vezes nos parecerem irreais....Obrigada pelo seu comentário!

Victor Oliveira Mateus disse...

Alto é o preço dos que se afastam
do vulgo e conseguem alcançar, e
viver, a transparência... Mas mais não digo numa terra onde sempre se fala da "pouca transparência.."